Total de visualizações de página

domingo, 3 de fevereiro de 2013

PROPOSTA PEDAGÓGICA

Missão


        Oferecer serviços de excelência a nossa comunidade, reconhecendo e respeitando a diversidade biológica e cultural que a constitui.

Visão

Manter-se como referência educacional da educação pública infantil, através de projetos transformadores com vistas à formação cidadã de toda Comunidade Escolar.

Valores
Ética nas relações interpessoais e profissionais que garantam a qualidade, o compromisso e a transparência dos valores contidos no Projeto Político Pedagógico da EMEI GUIA LOPES


A proposta pedagógica da EMEI GUIA LOPES prioriza, em seu fazer cotidiano, ações que estimulem a aquisição de saberes, permeando-as com a ludicidade necessária a faixa etária de nossas crianças, através das várias linguagens. Na atividade lúdica, o que importa não é apenas o produto da atividade, mas a própria ação, o momento vivido. Neste contexto trabalhamos a construção da Escrita, do Raciocínio Lógico Matemático, o aperfeiçoamento da Oralidade e o Conhecimento de mundo e sua diversidade. Garantimos os direitos fundamentais da criança e reconhecemos, dentre eles, o brincar como sendo o pilar em que se constrói aprendizagens significativas.
Alguns princípios norteiam nosso trabalho pedagógico e administrativo
-          Cuidar e Educar - elaboração de uma linha de tempo que atenda às necessidades de nossas crianças em seus aspectos físico, emocional, cognitivo e psicológico. Todos os momentos previstos na organização dos tempos de nossa escola são considerados como propícios à aprendizagem e pressupõem um trabalho pedagógico consciente. São eles: hora da higiene, da alimentação, das atividades de registro, das brincadeiras livres, dos jogos dirigidos; da leitura e atividades de informática. Neste binômio encontra-se o atendimento integral às crianças com necessidades especiais, a promoção de ações afirmativas pela igualdade racial e o trabalho pedagógico voltado ao reconhecimento das diferenças e combate a qualquer tipo de preconceito.
-          A EMEI Guia Lopes mantém um plano de guarda e proteção que prevê os procedimentos necessários para mantermos a integridade física e emocional de nossas crianças.
-          Os Espaços e Tempos na Educação Infantil – Acreditamos que o ambiente escolar se constitui como o terceiro educador na construção do conhecimento, neste sentido criamos ambientes que enriquecem as experiências de alunos, possibilitando a observação atenta e o registro dos fazeres infantis pelos professores, como: Brinquedoteca, Ludoteca, Horta Suspensa, Sala de Leitura, Sala de Informática, Cozinha Experimental, Espaço de Artes, Sala de Registro, Quadra e Parque, respeitadas e estimuladas as características inerentes às crianças como a criatividade, a imaginação e a curiosidade.
-          Protagonismo Infantil – Durante o processo de socialização, proporcionamos situações em que nossas crianças são levadas a refletir, resolver conflitos, superar desafios e aventurar-se em novas descobertas, protagonizando a construção de sua própria história. Algumas atividades permanentes tais como: Assembleias Infantis, Reuniões convocadas pelas crianças com a gestão escolar, a elaboração de um programa de rádio possibilitam a escuta atenta às ideias infantis e, consequentemente a valorização de suas ideias, sentimentos e necessidades.
-          Parceria Escola-Família – Buscamos estreitar e aprimorar as relações com a comunidade como forma de garantir a cooperação, o trabalho coletivo e a inclusão através de eventos como Dia da Família, Festas, Reunião de Pais e Mestres e Rodas de Conversa com a comunidade, atendimento personalizado aos Pais e Canal de Comunicação Virtual e, de forma sistemática, através dos Projetos Permanentes, entre eles a Rádio Tem Gato Na Tuba, a Cozinha Experimental e ações previstas nas sequências didáticas da equipe docente.
-  Formação Continuada - Para concretizar nossa Proposta Pedagógica, adotamos um Projeto Especial de Ação que é trabalhado com a equipe docente durante as oito horas semanais para estudos junto à Coordenação Pedagógica e, envolvendo os demais segmentos da Escola, através de ações desencadeadas pela Direção Escolar.
- Diversidade Biológica e Cultural -  A promoção de ações afirmativas pela igualdade racial, o respeito às diferenças sejam elas de gênero, raça ou credo, e a construção de uma cultura ambiental e social em que sejam considerados os princípios que constituem  o universo infantil quais sejam: o encantamento, a fantasia e a afetividade.
- Sustentabilidade – Construção de hábitos saudáveis através de uma cultura corporal e de atitudes de respeito, manutenção e conservação ambiental, com ações desencadeadas pelo Projeto “Horta na Escola”.


Plano de Guarda e Proteção


PLANO DE GUARDA E PROTEÇÃO À CRIANÇA
OBJETIVO: Uniformizar procedimentos que devem ser observados por todos os funcionários  quando da ocorrência de qualquer evento que coloque em risco a integridade física, emocional e a segurança das crianças da EMEI GUIA LOPES.
DA SAÚDE FÍSICA E EMOCIONAL DAS CRIANÇAS
Os eventos relacionados à saúde física e emocional de nossas crianças devem observar,  rigorosamente, os procedimentos que seguem:
- comunicar à Direção, Assistente de Direção e/ou Coordenação Pedagógica todas as ocorrências que envolvam as crianças, evitando qualquer avaliação sobre a gravidade ou não do evento,
- procurar os socorristas da Unidade Escolar que em são: Auxiliar Técnico de Educação Mara; Assistente de Direção Nádia, Agente Escolar Terezinha e Auxiliar Técnico de Educação Vanessa;
- Consultar o livro de Primeiros Socorros que esta disponível nas prateleiras de aço da Sala dos Professores;
- Analisar as fichas de matrícula e de saúde da criança para verificar se há autorização para ministrarmos medicamentos ou dados que indiquem a frequência de determinadas ocorrências;
- Registrar o evento no livro específico “Ocorrências de Alunos” contendo:
                a) nome da criança e da professora
                b) nome da agente escolar ou auxiliar técnico de educação nos casos de eventos ocorridos durante os intervalos dos professores,
                c) hora e local do evento que envolveu a criança,
                d) relato das circunstâncias e especificidades do acontecimento. (temperatura, local da lesão, queixas da criança e procedimentos adotados), bem como a assinatura do responsável pela criança,
                e) entrar em contato com a família e registrar no final da ocorrência com quem foi efetuado o contato e o grau de parentesco com a criança, caso não seja possível contatar os pais,
                f) Nos casos em que a escola solicitar aos pais que retirem a criança antecipadamente  e os mesmos se neguem a fazê-lo, esta informação deverá ser sinalizada  ao final do relato já  registrado em livro próprio,
                g)  O professor deverá comunicar todos os tipos de evento  que envolvam crianças sob sua responsabilidade, mesmo que o evento tenha ocorrido no período de seu intervalo.
                h) É expressamente proibido enviar recados verbais sobre possíveis  ocorrências com
as crianças, através dos condutores escolares do TEG ou Transporte Particular. peruas particulares.
                i)  Caso o acidente ocorra perto da hora da saída o professor responsável deverá solicitar aos condutores contratados pelos ou pais ou aos condutores do TEG, que aguardem o registro na agenda. Caso algum deles se negue a aguardar, o fato deve ser imediatamente comunicado à direção da Escola.
                j) A EMEI GUIA LOPES não tem nenhuma responsabilidade em relação às ocorrências que envolvam as crianças matriculadas que, por ventura, venham a acontecer durante o transporte escolar contratado pelos pais ou responsáveis;
                k) Os professores de ambos os turnos de permanência dos alunos, deverão registrar no livro de ocorrência quando constatarem que a criança chegou à escola com alguma lesão, além desse procedimento padrão, os professores deverão enviar um bilhete para casa perguntando aos pais as causas  da referida lesão.
A seguir, serão detalhados os procedimentos específicos para cada caso, além da observância de todos os itens citados acima:
I – Febre – Caso a febre atinja a temperatura de 38º ou mais, os agentes escolares ou os auxiliares técnicos de educação deverão providenciar um banho morno na criança e solicitar aos pais que venham retirá-la,
II – MAL ESTAR e QUEIXAS – Os professores deverão levar a criança até um dos profissionais do quadro de apoio para que estes assumam os primeiros cuidados. Nos casos em que não for possível identificar as causas da queixa, entrar em contato com os familiares para que, juntos definam quais os procedimentos a serem adotados.
III – QUEDAS E CONTUSÕES –Além da observação da criança e de possíveis mudanças de  comportamento, bem como  a adoção dos procedimentos descritos no  item I do presente plano, solicitamos que as quedas não sejam avaliadas como de maior ou menor gravidade. Todas as quedas podem desencadear problemas posteriores, exigindo, desta forma, todos os procedimentos descritos no item I.
IV – ACIDENTES GRAVES – São considerados acidentes graves os eventos que resultem em fratura ou suspeita de fratura, galos, cortes, desmaios, vômitos, sangramento, entre outros. O professor deverá comunicar imediatamente à  gestão escolar. A equipe técnica avaliará a necessidade de acionar a UBS/Pronto Socorro ou ambulância. Constatada a necessidade de encaminhamento para atendimento de urgência, o acompanhamento da criança e de seus familiares será feito pelos seguintes funcionários na ordem que segue: 1) Agentes Escolares; 2) Auxiliares Técnicos de Educação; 3) Equipe Técnica; 4) Equipe da Secretaria e em último caso, o professor. A gestão analisará cada caso, considerando os horários de trabalho dos funcionários que deverão fazer o acompanhamento, independentemente da presença de familiares.
                - Em hipótese alguma os funcionários da EMEI GUIA LOPES devem transportar em carro próprio a criança até o posto de atendimento, em especial sem a presença dos pais ou responsáveis. O transporte poderá ser feito em casos específicos, após a avaliação de cada situação pela Direção Escolar.
- Em casos de vômito com mudança de comportamento e palidez, desmaio e/ou convulsões os funcionários deverão ligar imediatamente para SAMU ( 192) ou para Corpo de Bombeiros (193) solicitando uma ambulância.
                - serão responsáveis pelo acompanhamento da criança com a presença de seus familiares ou não, os seguintes funcionários, nesta ordem: 1) Agentes Escolares; 2) Auxiliares Técnicos de Educação; 3) Equipe Técnica; 4) Equipe da Secretaria e em último caso, o professor.
Quando surgirem dúvidas sobre as consequências posteriores às quedas e na impossibilidade de contato com os familiares, o caso deve ser comunicado à Direção Escolar. Após avaliação da equipe gestora, qualquer funcionário poderá ser requisitado a acompanhar a criança até o pronto socorro, levando a ficha de matrícula e saúde. O acompanhante da equipe escolar deverá permanecer com a criança até que seus responsáveis cheguem e permanecer no local de atendimento até que os encaminhamentos médicos sejam definidos, ou até que os familiares manifestem a concordância de seu retorno à Unidade.
V – DAS DOENÇAS CONTAGIOSAS
São consideradas doenças graves e contagiosas dengue, meningite, tuberculose, varicela, conjuntivite , hepatite A/B, gripe AH1N1, entre outras.
Qualquer funcionário da Unidade que suspeitar de alguma enfermidade descrita acima, deverá tomar as seguintes providências:
                - solicitar aos agentes escolares e auxiliares técnicos que entrem em contato imediato com a família, comunicando-lhe a suspeita. Em caso afirmativo, solicitar a documentação médica que comprove a inexistência de qualquer enfermidade.
                - ao constatar que a família não percebeu os sinais de uma das referidas doenças, solicitar que o responsável venha retirar a criança para leva-la a uma consulta médica. Orientar a família que, após a consulta e constatada a doença, deverá ser entregue à equipe da secretaria um comprovante médico que indique o número de dias que a criança deverá ficar afastada.
                - de posse da confirmação de uma das doenças descritas acima, a equipe da secretaria deverá proceder da seguinte forma:
                               a) xerocar o atestado entregue pelo responsável à U.E.
                               b) fazer ofício à UBS de Referência da U.E. contendo:
                                               - Dados da Unidade: Nome, endereço, telefone, nome do responsável
                                               - Dados do Aluno: nome, ano, data de nascimento, nome dos pais,                                                      endereço, telefone, desde que data esta doente, se esta internado ou                                                            em casa, qual o hospital e se tem laudo médico.
                               - acrescentar “Aguardamos Orientações”;;
                               - Entregar na UBS e pedir para protocolar;
                               - Enviar à DRE, por e-mail (digitalizado) brunabruno@prefeitura@sp.gov.br o memorando enviado à UBS.
                - Após orientações da UBS à escola, notificar por e-mail a DRE, informando a data e as orientações passadas.
II - DOS PROCEDIMENTOS RELATIVOS À SEGURANÇA
A  – RESPONSÁVEIS PELA RETIRADA DAS CRIANÇAS
A escola prevê o preenchimento de uma relação de responsáveis autorizados para a retirada da criança da Unidade Escolar. A ficha deve ser fixada na contracapa da agenda escolar e deverá ser objeto de consulta pelos professores nos horários de saída.
Ficam sob responsabilidade dos professores os seguintes procedimentos:
                a) providenciar copia da ficha e afixá-la nas agendas de todas as crianças matriculadas durante o ano letivo;
                b) orientar os pais nas diversas reuniões ou através de bilhetes nas agendas para que a relação de pessoas autorizadas seja atualizada,
                c) informar aos familiares que a retirada antecipada das crianças deverá ser comunicada com antecedência através da agenda escolar
                d) caso uma pessoa estranha ou não autorizada queira retirar a criança, o professor deverá solicitar a mesma que compareça à secretaria da escola para as medidas administrativas cabíveis;
                e) os funcionários da secretaria deverão entrar em contato com a família para confirmar os dados da pessoa que pretende retirar a criança e  obter autorização  junto aos pais ou responsáveis  legalmente constituídos. Após a autorização, alguns dados da pessoa que retirou a criança deverão ser registrados no livro de ocorrências dos alunos, a saber:  nome, R.G., telefone e endereço e assinatura.
B - HORÁRIO DE SAÍDA
Os funcionários da EMEI GUIA LOPES devem observar suas atribuições descritas nas linhas de tempo individuais distribuídas no início de cada ano letivo, em especial nos horários de entrada e saída das crianças nos dois turnos de funcionamento da U.E., a saber:
- os agentes escolares e auxiliares técnicos de educação são distribuídos em vários locais estratégicos pelos quais as crianças transitam nos momento de entrada e saída, sendo:
                - 1 funcionário no portão central (entrada);
                - 1 funcionário no portão lateral (saída);
                -1 funcionário na primeira porta que dá acesso às salas de aula nº 6 e 7;
                - 1 funcionário no galpão;
                - 1 funcionário na porta de acesso às salas de aula do anexo.
                - os professores deverão estar nas salas de aula para recepcionar seus alunos.
Após o fechamento dos portões será designada uma funcionária do quadro de apoio para supervisionar as crianças que permanecerem na Unidade após o encerramento do turno em que foi matriculada. A referida funcionária terá as seguintes atribuições:
                - permanecer com a(s) criança(s) em local determinado pela gestão escolar;
                - decorridos 15 minutos dos horários determinados para a retirada das crianças, a funcionária responsável deverá entrar em contato com a família e registrar a ocorrência em livro próprio, contendo os seguintes dados: nome e sobrenome da criança, nome do professor, nome do responsável e o horário em que a criança foi retirada.
                - a gestão deverá ser comunicada nos casos em que forem registrados três atrasos da mesma criança em num único mês.
                - Fica sob reponsabilidade dos funcionários da Secretaria registrar no livro de ocorrência dos alunos, todos os casos de retirada antecipada da criança, observando se o nome da pessoa consta na relação de pessoas autorizadas na agenda escolar, bem como orientar sobre a necessidade dos pais ou responsáveis  comunicarem a retirada antecipada através da agenda da criança.
                - fica sob responsabilidade do professor registrar a saída antecipada da criança no Diário de Classe em campo específico. À equipe da Secretaria fica a responsabilidade de registrar a saída antecipada no livro de ocorrências de alunos.

C - DA HORA DE PARQUE E ATIVIDADES LIVRES
                Visando a segurança e integridade física de nossas crianças e o pronto atendimento as suas necessidades, nos momentos de parque ou de brincadeira livre em qualquer um dos espaços escolares, ficam determinados os seguintes procedimentos:
                - Nos casos em que houver dois ou três professoras e/ou dois ou três agentes/ATE na área do parque, todas deverão se posicionar em locais estratégicos que possibilitem a supervisão de todas as crianças, evitando grupos de conversas nestes momentos.
                - É expressamente proibida a permanência de crianças na quadra, nos arredores da Sala de Leitura e na horta sem a supervisão do professor responsável ou seu substituto;
                - É expressamente proibida a permanência de crianças na área gramada sem a presença do professor responsável ou seu substituto;
                -  Em hipótese alguma os quinze minutos dos professores podem ser negociados diretamente com os agentes e auxiliares técnicos sem a autorização da gestão escolar, em especial quando ocorrerem nos momentos de atividades livres. É expressamente proibido deixar um único funcionário responsável pela guarda e proteção de dois ou três grupos de crianças no parque ou em qualquer área externa da escola.
D -  DO INTERVALO DOS PROFESSORES
Anualmente, é elaborada uma linha de tempo individual para todos os funcionários na qual constam as atribuições nos tempos e espaços organizados e previstos no Projeto Político Pedagógico da EMEI GUIA LOPES.
O intervalo dos professores é determinado desde o início do ano, observadas as especificidades das atividades do grupo/classe. A cada professor, corresponde um substituto, integrante do quadro de apoio à educação (agentes escolares e auxiliares técnicos de educação).
Em ambas as linhas de tempo, o espaço e tempo das substituições estão previstos. Nos casos em que houver necessidade de alteração da substituição ou do horário para atender demandas específicas, a gestão deverá ser comunicada com antecedência para garantir que a qualidade dos serviços prestados não seja comprometida e as necessidades dos professores, agentes e auxiliares  não se sobreponham às normas de segurança e proteção descritas no presente plano, salvaguardando o direito constitucional de descanso dos professores.
No caso de faltas e/ ou licenças médicas dos responsáveis pelas substituições dos professores nos intervalos de quinze minutos, o quadro de apoio deverá organizar-se para cobrir a linha de tempo das colegas, alterando a cronologia de suas atribuições e priorizando a substituição de todos os professores, desde que observadas às orientações descritas acima. Para viabilizar a substituição, será possível solicitar ao professor que troque o seu horário de intervalo, excepcionalmente.
Os funcionários que compõe o quadro de apoio são responsáveis pelas ocorrências envolvendo as crianças quando da ausência dos professores titulares da classe. Nestes casos, o professor registra a ocorrência e o agente/auxiliar assina.
E - DO TRANSPORTE ESCOLAR GRATUITO - TEG
Os condutores do transporte escolar gratuito contratados pela Prefeitura Municipal de São Paulo são responsáveis pelos seguintes procedimentos:
 - manter as autorizações de critérios e responsabilidades em relação ao programa de transporte escolar gratuito (TEG) devidamente atualizadas e assinadas por todos os pais e/ou responsáveis;
- providenciar as referidas autorizações sempre que novos alunos sejam beneficiados pelo transporte escolar gratuito durante o ano;
- preenchimento  rigoroso e fidedigno do controle de presenças e ausências das crianças;
- atualização mensal e fidedigna da ficha de controle operacional;
- nos horários de saída, conferir a lista de crianças transportadas antes de iniciar o trajeto de volta para casa;
- posicionar as crianças em frente ao portão de entrada, apenas e no máximo, três minutos antes da abertura;
- os monitores e condutores deverão aguardar a professora organizar as crianças para que saiam da sala de aula para encontra-los;
- após a retirada das crianças transportadas das salas de aula, os condutores e monitores são responsáveis pelas crianças. No caso de acidentes com estas crianças, a gestão escolar deverá ser imediatamente comunicada para adoção dos procedimentos- padrão.
F - DO TRANSPORTE ESCOLAR CONTRATADO PELOS PAIS
-Após identificação das crianças que utilizam o transporte particular, seus responsáveis  receberão um comunicado informando que:
                - a escola não tem responsabilidade alguma sobre possíveis acidentes que vierem a ocorrer durante o percurso de ida e volta da criança a sua residência;
                - em casos de acidentes dentro do espaço escolar, a escola providenciará pronto atendimento às necessidades da criança, ficando sob responsabilidade do condutor ou monitor a  ocorrência e suas consequências, com o devido registro em livro próprio
                Os casos omissos neste plano serão resolvidos, única e exclusivamente pela gestão escolar.
G- DO CONSELHO TUTELAR
                a) DA FREQUÊNCIA DO ALUNO – A gestão escolar acompanha a frequência das crianças mensalmente para as providências administrativas necessárias.
                - fica sob responsabilidade do professor comunicar à Direção Escolar o nome das crianças que atingirem cinco faltas injustificadas à escola, antes do último dia útil de cada  mês
                b) VIOLÊNCIA, ABUSOS, MAUS-TRATOS E NEGLIGÊNCIA.
Fica sob reponsabilidade de todos os funcionários comunicarem imediatamente à direção da unidade nos casos em que:
                - houver fundada suspeita, evidência, indícios ou relato de prática violenta, abuso ou maus tratos contra os educando;
                - quando constatada negligência, abandono do educando, esgotadas as ações de competência da Unidade Educacional para garantir, especialmente, o direito à educação.
Caberá a gestão escolar encaminhar ao Conselho Tutelar o Termo de Notificação que deverá ser instruído na seguinte conformidade:
                - redigido conjuntamente pela equipe gestora e demais profissionais da Unidade Educacional;
                - relato dos fatos;
                - protocolado junto ao Conselho Tutelar através de ofício da Unidade Educacional;
                - providenciar duas cópias do Termo de Notificação e arquivar uma delas na escola e enviar a outra A/C da Supervisão Escolar para ciência.
Os casos omissos neste plano serão resolvidos, única e exclusivamente pela gestão escolar.

Projeto - Sala de Leitura


ESPAÇOS – SALA DE LEITURA/SALA DE REGISTRO E OUTROS ESPAÇOS ESCOLARES
I – Denominação do Projeto – Lá vem história...
II – Justificativa: Durante os seis últimos anos, ao elaborar os relatórios individuais de nossos alunos, criamos um campo para sugerir aos pais algumas ações que poderiam auxiliar seus filhos no processo de evolução nas hipóteses da escrita e, consequentemente, na leitura de mundo e sua diversidade. Constatamos que precisávamos aproximar nossa prática da teoria que defendíamos. Ora, se indicávamos à família alguns procedimentos que tínhamos como certos, era preciso incorporá-los a nossa rotina escolar por uma questão de coerência. Neste sentido, definimos ser necessário o investimento na formação docente que pudesse subsidiar a criação de um projeto específico para nossa Sala de Leitura. Contando com o profissionalismo de grande parte dos professores, contratamos duas formadoras para as horas de trabalho coletivo que, através de oficinas durante o ano, nos aproximaram do mundo mágico da contação de história com Edi Fonseca e a necessidade de transformarmo-nos em leitores antes de iniciarmos um trabalho efetivo com nossos alunos, com a formadora Heloisa Ramos. Após alguns encontros, fizemos nossa inscrição junto à Divisão de Orientação Técnica da Diretoria Regional de Educação Freguesia/Brasilândia para  participarmos do Projeto Entorno de incentivo à leitura. Toda esta dedicação veio de encontro aos nossos objetivos e resultou na criação de um projeto permanente para nossa  escola.
III – Período de Realização: Durante todo o ano letivo
IV –Objetivo Geral – Tendo em vista o Quadro de Referência desta Unidade Educacional que prevê o incentivo ao gosto pela leitura e escrita, pretendemos aproximar a criança do universo letrado através de sua participação em práticas sociais de contação e leitura de histórias, bem como de variadas forma de registro.
V – Objetivos Específicos
-          Ampliar o repertório literário;
-          Adquirir comportamentos leitores;
-          Interagir com o livro de maneira prazerosa, reconhecendo-o como fonte de múltiplas informações e entretenimento,
-          compartilhar interpretações;
-          dinamizar o processo de autonomia em relação as escolhas e preferências literárias;
-          ter prazer em escutar a leitura em voz alta;
-          socializar seus conhecimentos com diferentes parceiros dentro e fora da escola;
-          apreciar e interpretar ilustrações e imagens.
VI – Detalhamento das Fases/Etapas
A)Sensibilização  – Reinauguração anual da Sala de Leitura – Preparação de um evento, durante o período de adaptação, que desperte o interesse da criança pelo espaço e que, através dele, entre em contato com os combinados que deverão ser observados durante todas as visitas futuras.
B)Ampliação de Repertório/Resgate
a.     Releitura dos resumos constantes nesta apostila em que são descritas as etapas de cada dinâmica
b.    Reorganizar o acervo de livros de literatura infantil da Biblioteca do Professor (sala dos professores) observando sua classificação inicial: Contos de Fada, Fábulas, Aventuras, Personificação de elementos da Natureza, Personificação de objetos, Fatos do cotidiano, Fatos históricos, Histórias sem texto;
c.     Reorganizar a Sala de Leitura preparando-a para as sessões do “ Tapete literário” e “Dia da Pesquisa”
a)    Sessões de Leitura Compartilhada e seus rituais
b)    Sessões Simultâneas e Procedimentos em relação à leitura de histórias – (antes, durante e depois)
c)    Contação de Histórias;
d)    A Sacola Mágica – Empréstimo de Livros 
e)    Ambiente Alfabetizador
f)     “Tapete Encantado” – exploração do gêneros literários/autores/ilustradores/tipos de ilustração/Tipos de escrita e formatação do texto
g)    O Dono da História – a criança traz um livro de casa e conta a história para seus amigos
h)   h) Procedimentos para o Dia da Pesquisa
c)Envolvimento da Família
-          através de alguns eventos promovidos pela escola como: Dia da Família e Reuniões de Pais e Mestres em que esteja garantida pelo menos uma atividade prática de leitura ou escrita.
-         
empréstimo de livros nos finais de semana ( uma criança, em sistema de rodízio, leva o livro em uma sacola contendo: uma carta explicativa aos pais sobre os procedimentos e regras que envolvem o empréstimo,; um livro escolhido pela criança e um bloco de notas/caderno no qual a criança e família devem registrar o que acharam da experiência/ história.
-          Convite aos pais para serem os “Donos da História” em dia de aula;
d)Produto/Resultado – Espera-se que as crianças adquiram comportamentos leitores e demonstrem interesse e curiosidade pela palavra escrita e falada, reconhecendo a leitura como fonte de prazer e entretenimento, bem como ampliem seu repertório literário e expressem suas preferências.
Considerando a característica do grupo de professores do intermediário em 2012 que, em sua maioria, são optantes pela JBD, as dinâmicas foram dividas por sua complexidade e turnos de trabalho.
VII – Cronograma de Atividades/Experiências: a ser elaborado durante o ano letivo
VIII – Avaliação
O trabalho com projetos prevê a elaboração de alguns instrumentos que subsidiam a avaliação contínua do trabalho do professor e da evolução de nossas crianças.
- Avaliação diária das atividades propostas através do planejamento semanal; 
- Acompanhamento, análise e intervenções na construção do portfólio individual do aluno; 
- Análise e acompanhamento do portfólio virtual do grupo/classe na web; 
- Produções coletivas expostas nos murais e paredes da escola; 
- Elaboração e Intervenções nos relatórios individuais dos alunos.

Projeto Permanente - Rádio "Tem Gato Na Tuba


29
ESPAÇO: SALA DE INFORMÁTICA
PROJETO – RÁDIO “TEM GATO NA TUBA” ( Infantil II )
I – JUSTIFICATIVA:
            Constatamos, durante o ano de 2009, a necessidade de garantir que a música ocupasse um lugar de destaque na rotina e em alguns espaços escolares. Definimos ser necessário um maior investimento nesta área e concluímos que a informática educativa poderia abarcar para si esta missão. Através dos recursos midiáticos que a escola possui, a elaboração de um projeto específico, para povoar de sons os ambientes escolares, ganhou forma. Surgiu a idéia da construção de um “coreto”, no parque da Escola, a ser gerenciado pelas crianças nos momentos de brincadeiras livres.
Acompanhando historicamente a idealização e construção dos Coretos, bem como o impacto que a revolução tecnológica teve sobre seus objetivos iniciais, julgamos ser pertinente utilizá-lo como espaço para a introdução de um projeto que atenda as Orientações Curriculares – Expectativas de Aprendizagem e Orientações Didáticas e o contido no livro As mídias no universo infantil – um diálogo possível, ambos elaborados por SME.
Foram incorporados, a esta necessidade da escola, algumas práticas e objetivos do “Programa Nas Ondas Do Rádio” que preconizam a utilização de algumas linguagens, através dos meios de comunicação existentes, como forma eficaz de divulgar e produzir conhecimentos à toda comunidade escolar. Somado à programação da rádio escolar, aparece o projeto inicial denominado “Monitores Mirins”, cujo princípio básico é o fortalecimento do protagonismo infantil nas diversas situações escolares. Desta forma, sedimentamos o foco central de nossa proposta pedagógica, qual seja; o de garantir a participação efetiva da criança nos espaços de convivência criados pela escola, protagonizando ações criativas permeadas pela responsabilidade, respeito e compromisso.
            Os resultados obtidos durante o ano letivo de 2010 foram significativos e a decisão de torna-lo um projeto permanente é resultado da discussão e desejo de todos os envolvidos.
II - OBJETIVOS
-          Incrementar o processo criativo através da exploração e uso das tecnologias de informação e comunicação;
-          Possibilitar o desenvolvimento da expressão comunicativa e criadora através do trabalho em equipe;
-          Adquirir autonomia na utilização de diversas tecnologias disponíveis;
-          Promover a divulgação dos projetos didáticos de cada grupo/classe, garantindo-lhes a integração necessária para seu enriquecimento através das várias linguagens de comunicação;
-          Contribuir para o desenvolvimento da expressividade e da exploração da linguagem verbal das crianças por meio da vivência de experiências com as linguagens midiáticas
III - ARTICULAÇÃO COM O PROJETO PEDAGÓGICO
            A EMEI Guia Lopes adotou a Pedagogia de Projetos para conduzir seus trabalhos tendo, como articuladores das idéias infantis, os diversos ambientes de convivência criados para enriquecer as experiências de alunos e professores. Neste sentido o coreto e as atividades planejadas para o espaço, servirão para divulgação dos conhecimentos adquiridos por cada grupo classe. Entendemos que isto facilitará o intercâmbio entre os grupos, fundamental para a ampliação do repertório cultural de nossas crianças.
IV- PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS
            O projeto “Rádio Tem Gato Na Tuba” , inspirado no Programa nas Ondas do Rádio da Secretaria Municipal de Educação, envolverá todas as turmas do Infantil II dos dois turnos de funcionamento da escola e acontecerá uma vez por mês com a transmissão, ao vivo, de um programa de rádio. Durante o horário regular de aula, cada grupo classe ficará responsável pela elaboração e execução da programação do dia.
O Projeto Imprensa Jovem - A equipe é composta por repórteres, entrevistadores, pesquisadores e fotógrafos que tem por objetivo divulgar as ações e eventos internos e externos à escola, formada por crianças do mini-grupo e infantil I(  REPÓRTER POR UM DIA, FOTÓGRAFO POR UM DIA, PESQUISADOR POR UM DIA, entre outros);
  O Projeto Monitores Mirins envolve todas as crianças dos 3º estágios dos dois turnos de funcionamento da escola. Com o objetivo de criar um ambiente cooperativo envolvendo todos os grupos, as ações da equipe de monitores mirins preveem o auxílio  às crianças de 1º e 2º estágios  nas aulas iniciais de Informática Educativa, bem como a responsabilidade de representar a escola nos eventos internos e externos. (comissão de recepção e acompanhamento)
V - DETALHAMENTO DAS FASES
OFICINA 1 - Formação de equipes de Trabalho da Rádio Tem Gato Na Tuba
-          1 operador de som – responsável pela colocação de cds com as vinhetas de cada bloco
-          2 Repórteres da Rádio Tem Gato Na Tuba – gravam entrevistas com os ouvintes da rádio após a apresentação
-          Locutores – responsáveis pela divulgação das notícias do mês
      -       Entrevistadores – realizaram a entrevista, ao vivo, durante a programação de alguma personalidade escolhida pelo grupo/classe.
-          2 Fotógrafos – registram todos os momentos durante a transmissão do programa. O material produzido será utilizado na confecção de um mural
-          Repórteres Mirins – responsáveis pela recepção dos convidados.
-          Músicos – responsáveis pela execução da música tema da rádio;
-          Cantor(es) – responsáveis por cantar, no microfone, a  música tema;
-          Maestro/Maestrina

OFICINA 2 – Criação da programação fixa da rádio “Tem Gato na Tuba” 

Reunião de Pauta ( 1 semana ou mais)         

a)    definição das responsabilidades e funções – o professor receberá do POIE uma Planilha com todas as funções existentes na rádio. Através de votação e consenso com as crianças, deverá registrar o nome dos responsáveis por cada atividade( fotógrafo, repórteres, etc..). O número de crianças para cada função poderá variar de grupo para grupo. Após o preenchimento, a planilha deverá ser entregue a POIE Deise para os próximos passos;
b)     realização da pesquisa sobre as 5 músicas mais pedidas – o professor deverá fazer a pesquisa com seu grupo de crianças e, após a definição, passar o nomes das músicas ou dos cantores preferidos para a POIE DEISE que ficará responsável pela devolução de planilhas para a pesquisa de campo.
c)    Escolha do entrevistado – o Professor, através de votação, escolherá uma “personalidade” que as crianças queiram entrevistar. Deverá levantar com o grupo quais as perguntas que serão feitas e passa-las para a POIE.
d)    Elaboração das notícias – ficará sob responsabilidade da POIE a elaboração do texto dos locutores escolhidos e a transposição para imagens para posterior leitura.
e)    Ensaios – são responsáveis pelos ensaios a POIE e os professores parceiros de cada grupo/classe.

VI – Envolvimento da Família

As famílias serão convidadas a assistir a apresentação de seus filhos.

VII – Resultado

Transmissão Mensal da Rádio Tem Gato Na Tuba



Projeto: Cores e Sabores


ESPAÇO: COZINHA EXPERIMENTAL
I – DENOMINAÇÃO: CORES E SABORES
II – JUSTIFICATIVA: A nossa Horta trouxe consigo atividades de criação e execução de receitas e degustação dos alimentos produzidos pelos próprios alunos.
As atividades de culinária tornaram-se parte da rotina dos grupos, o que era dificultado pela ausência de um espaço específico para este fim, no qual as crianças pudessem criar, produzir e experimentar, aprendendo através da arte culinária.
Diante desta dinâmica o grupo apontou como solução a criação de um novo espaço acessível e apropriado para que as crianças pudessem desenvolver-se nesta área com liberdade, sendo-lhes garantida a efetiva participação em todas as etapas, desde o planejamento até a organização final dos processos culinários. As atividades experimentais devem ser constantes, pois elas propiciam a possibilidade de investigação do real, dão margem à discussão e à interpretação dos resultados obtidos, levando a conclusões.
Durante os últimos anos, a cozinha extrapolou sua utilização para além dos produtos da horta, sendo utilizada como recurso dinâmico e eficiente para explorar novas formas para construção de conhecimento em todas as áreas.
III – PERÍODO DE REALIZAÇÃO:
Durante todo o ano letivo com periodicidade bimestral, no mínimo.
IV - OBJETIVO GERAL:
Proporcionar a melhoria da qualidade de vida das crianças e da comunidade através da resignificação da alimentação como possibilidade de criação e preservação da saúde e das refeições como momentos de socialização e prazer.
V - OBJETIVOS ESPECÍFICOS
-          Incentivar a criatividade na elaboração de receitas e na apresentação dos pratos;
-          Estimular o trabalho coletivo;
-          Aumentar a aceitação de alimentos diferenciados;
-          Reduzir o desperdício de alimentos;
-          Possibilitar o conhecimento da cultura alimentar dos diferentes povos e regiões;
-          Utilizar o espaço para viabilizar a observação, análise, criação de hipóteses, experimentos de sensações e descobertas;
-          Estimular e dar credibilidade à ousadia das ideias infantis
-          Confirmar hipóteses e criar soluções
-          Vivenciar situações concretas envolvendo conceitos matemáticos,
-          Estimular situações de escrita espontânea e  formas convencionais de registro
VI-RESULTADOS ESPERADOS
 Que as crianças sintam-se á vontade para realizar experiências culinárias de criação, entendendo os processos culinários como componentes da cultura de um povo através da alquimia perfeita entre sabores, essências e cores.
VIII – DETALHAMENTO DE FASES E ETAPAS
1)    Sensibilização – No início de cada ano as crianças são envolvidas num ritual de inauguração do espaço da cozinha experimental que geralmente envolve um personagem criado pela equipe de professores. Neste dia, assistem o passo a passo de uma receita (leitura da receita, separação dos ingredientes e equipamentos, execução, decoração do prato e degustação).
2)    Ampliação de Repertório – Após a escolha da receita alguns passos são fundamentais para que as atividades atinjam seus objetivos, a saber:
-          Hábitos e costumes de diferentes povos e/ou regiões brasileiras; (história e geografia).
-          Origem das receitas e/ou de seu ingrediente principal; (história e Geografia).
-          A temperatura dos alimentos (o fogo)
-          Reconhecer a evolução da arte culinária através do tempo e das tecnologias envolvidas durante o processo; (eletrodomésticos: fogão/fogo; etc).
-          Superar o preconceito de alimentos naturais: verduras, legumes entre outros; (Ciências Naturais).
-          Noções de números, quantidade e medidas; (Matemática).
-          Escrita espontânea e convencional das receitas; (Português).
-          Propriedades e características dos alimentos e sua relação com a saúde integral do homem; (forma, tamanho, textura, cor, odor, sabor).
-          Alimentação saudável; (Ciências Naturais e Sociais).
-          Noções de tempo (matemática)
-          Modelar e decorar os pratos (Artes)
-          A Alquimia dos ingredientes (reações químicas)
-          Cuidados necessários com a higiene e segurança no preparo dos alimentos;
-          Ampliação de vocabulário;
-          Mudança do estado físico da matéria (líquido, sólido e gasoso).
-          Leitura de rótulos e receitas;
-         
28
Reciclagem de embalagens e o lixo orgânico;
-          Valorização do trabalho em grupo
3)    Envolvimento da Família
-          Pesquisas sobre hábitos alimentares;
-          Participação nos momentos de culinária;
-          Envio das receitas criadas ou realizadas pelo grupo/classe através da agenda;
-          Contribuições solicitadas através da agenda;
4)    Produto/Resultado Final
-          Elaboração de um cardápio completo para degustação dos familiares (evento)
-          Criação de um livro de receitas coletivo que fique à disposição de todos da U.E.;
-          Manutenção do Livro de Receitas virtual (orkut)
-          Manutenção do portifólio Virtual do grupo (orkut)
-          Registros no portfólio individual
IX – CRONOGRAMA DE ATIVIDADES
Para atingirmos os resultados esperados, pensamos em algumas etapas indispensáveis para garantir a participação de todos durante as aulas de culinária.
1º Passo: Discussão sobre a importância do trabalho de equipe para o sucesso da atividade.
2º Passo: Determinar o dia em que a receita será executada e/ou quantos dias serão necessários para sua realização, propor o levantamento dos ingredientes necessários que podem ser aqueles descritos na receita ou aqueles desejados pelas crianças, escrita do bilhete, pela criança, solicitando a colaboração da família (quando necessário).
2º Passo: Levantamento das equipes de trabalho e suas funções de acordo com o modo de preparo estipulado para cada receita e/ou respeitando a descrição do modo de fazer criada pelas crianças.
-          Equipe da Limpeza (lavar, enxugar, secar e guardar os utensílios).
-          Equipe da Preparação (dia anterior à execução da receita)
-          Equipe de Cozinheiros (no dia da execução)
-          Equipe de Decoradores (definir de que forma o resultado será apresentado para degustação)
-          Equipe de Organizadores (preparação do ambiente e dos utensílios)
3º Passo - Criação de um cartaz permanente na sala de registro com as equipes e os nomes dos alunos que farão parte de cada uma delas, garantindo o rodízio das funções para todas as crianças.
4º Passo – Varal de textos permanente na Sala de Registro – anexar a receita junto a outros portadores
IX – Avaliação
O trabalho com projetos prevê a elaboração de alguns instrumentos que subsidiam a avaliação contínua do trabalho do professor e da evolução de nossas crianças.
- Avaliação diária das atividades propostas através do planejamento semanal e acompanhamento da execução.
- Acompanhamento, análise e intervenções na construção do portfólio individual do aluno;
- Análise e acompanhamento do portfólio virtual do grupo/classe na web;
- Produções coletivas expostas nos murais e paredes da escola;
- Elaboração e Intervenções nos relatórios individuais dos alunos.
- Elaboração e intervenções nas teias de conhecimento e no Diário de Projeto